Aceptar
Utilizamos cookies propias y de terceros para mejorar la experiencia de navegación y ofrecer contenidos y servicios de interés.
Al continuar con la navegación, entendemos que se acepta nuestra política de cookies.

Festival Arco Atlântico, em Gijón

Votos

(Total de votos recibidos 36)

(Puntuación 3,00)

arco

Gijón acolhe, de 21 a 29 de julho, a primeira edição deste festival que tem como protagonista a identidade cultural deste espaço geográfico unido, desde tempos remotos, pelo comércio marítimo que originou o intercâmbio de costumes, ao longo dos séculos.

O Arco Atlântico Europeu é um espaço geográfico com uma personalidade cultural cuja origem remonta à pré-história e que continuou, ao longo do tempo, graças ao comércio marítimo; abarca um vasto território em que se avistam grandes semelhanças entre os países das costas ocidentais europeias que o configuram.

A Câmara Municipal de Gijón/Xixón quer reforçar a cultura atlântica comum, organizando um grande festival que sirva de laço de união e plataforma de intercâmbio para os povos que configuram o Arco Atlântico Europeu.

O mar é um elemento substancial da história da nossa cidade e também do de muitas outras cidades atlânticas europeias. As rotas marítimas e os espaços portuários tecem redes culturais e comerciais que ligam estreitamente o espaço geográfico em que assentam.

Este projeto pretende contribuir de forma prática para a articulação de uma rede de colaboração cultural e económica entre as cidades deste âmbito geográfico.

A Cultura e o Comércio contribuem para a construção da identidade do espaço atlântico europeu e a melhorar a sua projeção no resto da Europa. Com esta vocação nasce o Festival Arco Atlântico, como um projeto para potenciar o desenvolvimento da cultura e do comércio e que ajude a difundir o património artístico dos vários países.

Em cada ano, um país será objeto de especial atenção. Portugal vai ser o país convidado e principal protagonista em 2012. A Associação Cultural Progestur estará encarregada de organizar a presença e representação de Portugal no Festival Arco Atlântico.


A programação do Festival Arco Atlântico estrutura-se à volta de diferentes áreas temáticas:

O Mar. Jornadas Náuticas

Marginal de Poniente e Marina de Gijón/Xixón

A conservação e valorização do património náutico atlântico é um projeto da Associação Pelagius que organiza as Jornadas Náuticas. Os seus objetivos são o desenvolvimento de ideias, a procura de recursos e vias de crescimento para a recuperação do património tradicional marítimo das regiões da costa atlântica europeia na perspetiva da diversidade cultural.

Exposições, conferências, aulas didáticas, ateliers, atividades desportivas náuticas (regatas, exposição de diversos tipos de embarcações), concertos musicais, teatro, zona infantil, cantinho do leitor e gastronomia, tudo relacionado com o mar, no amplo espaço de Poniente.

A Literatura. Jornadas Literárias

Centro de Cultura Antigo Instituto

Portugal, país convidado desta primeira edição, contará com a presença dos seus autores e produções literárias mais atuais e notáveis. A literatura, quer na versão narrativa, quer poética, será a parte central das ações. Um encontro entre o nosso património e o português constitui o eixo central da atividade, sem perder de vista o horizonte audiovisual com a apresentação de curtas-metragens e versões cinematográficas. A Associação Cultural L'Arribada está encarregada de desenvolver esta temática.

A Rede Municipal de Bibliotecas irá editar guias de leitura específicos, tanto para adultos como para o público infantil, sobre a temática atlântica. Irá coordenar um programa especial de contadores de histórias e de contos para bebés, na zona de Poniente.

Cinco bibliotecas da cidade irão participar na instalação expositiva audiovisual intitulada «Os ecos do passado conservados na natureza ao longo dos tempos» do Coletivo Interferências

A dança e o teatro. Encontro: criação contemporânea, dança e tradição

Centro de Cultura Antigo Instituto

Este encontro, inscrito no I Festival do Arco Atlântico, tem como objetivo traçar, a partir dos diferentes locais de atuação das companhias e grupos de dança e baile da nossa região autonómica, as respetivas técnicas e fontes de criação, a que raízes vão beber as coreografias e o estabelecimento de vasos comunicantes entre os grupos do nosso folclore e as companhias de dança contemporânea.

Após o Encontro, a companhia de dança Kukai apresentará a sua peça de rua SOKA, no Paseo de Begoña.

Nesta edição, será exibida uma representação teatral em asturiano: «Os amores de Bastian e Bastiana» de W. A. Mozart, ópera para público infantil e familiar, a cargo do grupo de teatro Produções Nun Tris, organizado pela Associação Cultural L'Arribada. Também será representada a obra «Aventuras de Dickel Parisién, pirata de profissão» organizada pela Associação Cultural Pelagius.

As artes audiovisuais. “O olhar atlântico”

Museu Barjola

Uma exposição coletiva que recolhe obras de artistas de diversas disciplinas que irão expor os seus trabalhos relacionados com o âmbito atlântico europeu, no Museu Barjola, cedido, para o efeito, pelo Principado das Astúrias. Esta exposição marca o início de um trabalho contínuo de intercâmbio entre artistas, tendências, experiências e trocas de obras dentro do Festival Arco Atlântico.

A Cultura Tradicional do Arco Atlântico. As raízes de um espaço comum.

Monte Santa Catalina, Praia de Poniente e Praça Mayor

Os jogos e desportos tradicionais formam uma parte muito importante do património. O Grupo de Desporto Rural 6 Conceyos irá mostrar os desportos tradicionais asturianos e bascos no Monte Santa Catalina; bem como na Praça Mayor, onde será demonstrado o arraste de pedras com bois.

Por seu lado, a Federação Asturiana de “Bolos”levará a cabo mostras e concursos de “bowling asturiano” na modalidade de “cuatreada” na Praia de Poniente.

O Museu do Povo das Astúrias irá apresentar ao público uma exposição sobre a Máscara Ibérica. A isto junta-se um desfile de máscaras ibéricas desde Begoña até ao Monte St.ª Catalina e animação de rua no paseo de Begoña. Colaboram neste projeto várias associações asturianas, leonesas e galegas: Los Sidros y La Comedia de Valdesoto de Asturias, Os Boteiros y el Folion de Viana do Bolo de Ourense,Altsasuko Inauteria, de Alsasua (Navarra) e Guirrios y Madamas de la Ribera de León.

O folclore, a manufatura de redes e nós, os carpinteiros ou as diversas manifestações corais, vão recolher a parte mais tradicional da nossa cultura. Gaiteiros e grupos folclóricos irão mostrar o seu trabalho de conservação da dança e música mais tradicionais.

Pelo Gabinete de Normalização Linguística será levado à rua uma mostra da panóplia de materiais literários e de divulgação que têm sido elaborados nos últimos anos em língua asturiana, assim como uma exposição temática. Estará localizada no Paseo de Poniente.

O fundo documental do Museu do Povo das Astúrias, irá começar uma nova linha de trabalho de documentação e investigação sobre o património marítimo com o objetivo de partilhar o conhecimento mediante atividades de caráter documental e de investigação; iniciando um intercâmbio de materiais, recursos e experiências de trabalho das cidades e povos atlânticos.

A música do Arco Atlântico. Música popular atual.

Teatro Jovellanos e vários espaços da cidade

Neste festival não poderia faltar uma parte dedicada à música popular dos países convidados Nessa linha, serão programados numerosos concertos de solistas e grupos prestigiados, tanto asturianos, como de outras zonas; procurando, também, a colaboração entre músicos no palco.

Músicos de Portugal, Astúrias, Cantábria, País Basco e Irlanda irão participar nesta primeira edição, abrindo um caminho que se irá alargando em edições sucessivas.

A naturaleza do Arco Atlântico. No ambiente florestal

Jardim Botânico Atlântico

O Jardim Botânico irá acolher um programa de atividades relativo à natureza: mercado de plantas, intervenções artísticas a cargo do Coletivo Audiovisual Interferencias (que levará a cabo uma exposição de fotografias e uma intervenção em árvores de diversos espaços da cidade) e jogos infantis a cargo da Associação Cultural “El Garrapiellu”.

Os países e cidades do Arco Atlântico. As redes de intercâmbio

Campo Valdés

O Festival Arco Atlântico deve constituir um enquadramento privilegiado para tornar possíveis os contactos e intercâmbios entre os agentes económicos e comerciais de ambas as margens. Nesse sentido vai-se promover um fórum empresarial permanente que, nesta edição, se centra na gastronomia, a hotelaria, a restauração e nos produtos da indústria agroalimentar.

Portugal, como país convidado, trará à cidade uma mostra representativa da sua cultura e dos seus produtos que se localizará no Campo Valdés.

Palabras clave Turismo, 2012, Festivales, Julio