Aceptar
Utilizamos cookies propias y de terceros para mejorar la experiencia de navegación y ofrecer contenidos y servicios de interés.
Al continuar con la navegación, entendemos que se acepta nuestra política de cookies.

Un retábulo com sabor a mar

Votos

(Total de votos recibidos 1752)

(Puntuación 3,05)

retabulo

O Museu Casa Natal de Jovellanos, de livre acesso, alberga no seu último andar (2.º andar) uma peça única que concentra em si mesma a essência do Gijón marinheiro, localizado no bairro de Cimavilla.

Trata-se doRetábulo do Mar, uma obra de arte que não podia faltar numa cidade virada para o mar desde as suas origens, na época romana. E um dos seus principais frutos foi a pesca, uma atividade económica que teceu toda uma particular forma de vida que o retábulo reflexa de maneira fiel.

Sebastián Miranda, o seu autor, é um escultor asturiano que nos seus passeios pelo molhe pesqueiro local concebe aquilo que será a sua obra-mestra como uma homenagem e reconhecimento a esses marinheiros e pescadores que, com as suas próprias tradições e juntamente com as suas famílias, forjaram a identidade do bairro alto gijonês. Desde o ponto de vista formal, o retábulo é um alto-relevo de mais de dois metros de altura e cinco de longitude, talhado em madeira de pinho policromada. Realizado entre 1931 e 1933, foi mais uma das vítima da cruel guerra civil que provocou a sua destruição. Por sorte, o escultor pode recuperar os moldes originais de escaiola para culminar em 1972 um segundo retábulo, muito similar ao original embora com subtis diferenças, sendo este aquele que agora podemos apreciar.

Na sua parte inferior são exibidas as espécies de peixe e marisco próprias do Cantábrico, entre as quais chama a atenção ao visitante a presença de um golfinho. No primeiro nível aparecem os pescadores, caracterizados com os seus utensílios de ofício e também um bom número de mulheres, familiares dos primeiros, que são as encarregadas de classificar e logo sair a vender pelas ruas e praças os frutos do mar. O nível superior oferece-nos uma tradicional estampa da rula gijonesa, em torno da qual se congregavam os residentes do bairro para seguir o processo de leilão do pescado.

Surpreende o visitante o grande número de personagens refletidos no retábulo, dotados de uma grande força expressiva, todavia ainda surpreende mais saber que todos eles têm nome e apelido, pois quis Sebastián Miranda que os próprios habitantes de Cimavilla fossem os protagonistas do seu Retablo del Mar.

Palabras clave Turismo, 2013